roldana e caminho

O rolamento arranha o caminho, ambos fartos da sua inutilidade.
São de materiais diferentes, dão-se mal.

Caminho

O caminho sabe o seu propósito,
mas a roldana acha que foi feito para si,
julga que é esse o seu único propósito.

Será.
…mas o caminho quer ter outra função
e quem é alguém para dizer qual a utilidade de outrem?

A porcaria da roldana é só um bocado de lixo futuro,
ou, na melhor da hipóteses, será um dia entulho para construir o caminho.
O caminho sabe da sua importância e portanto despreza a inutilidade dos que o usam apenas para chegar a outras desimportâncias.

Não saber que o caminho é a verdadeira Importância, é como passar pela vida apenas com o intuíto de chegar à morte.

De qualquer maneira, mesmo que alguém queira ir por outro sítio que não o caminho, nunca o conseguirá. O caminho será sempre o que fôr caminhado. Mesmo que se escolha ir por caminho nenhum, será esse o caminho.

Importância, Futebol (ou vão mas é trabalhar)!

Futebol CacaUma equipa de futebol levou um enxerto de porrada. O que é que isso interessa? Nada!

Até ouvi figuras com grandes responsabilidades a dizerem que este escândalo do Sporting demonstra uma falha do estado de direito!!

Se o presidente do Futebol Clube da Amêijoa dá ele próprio uns estaladōes aos treinadores e jogadores, não há uma única figura do estado que fale sequer nisso! Poder-se-ia alegar que são clubes com dimensões diferentes e por isso com importância diferentes, mas isso seria como admitir que as pessoas mais gordas são mais importantes!!

Srs. Governantes deixem-se de futebóis e vão trabalhar!

E, já agora, srs jornalistas façam o mesmo.

Tree is the magic number!

TreeHugOne of the most stupid things one can do is to hug a tree,
but if you think that such a thing is stupid,
than you must not hug one, nor two, hug three!

You don’t need to stay long,
it doesn’t have to be tight
whatever way you do it, it’s wrong
so don’t try to do it right.

you think you’re a tree? You’re not.
At least not until you are
but how can you think you’re free
it’s such a simple thing but you don’t dare?

Do as you wish, I don’t really care
I’m not trying to be a good soul
I aim to live better, not to be fair
hug a fucking tree, whatever is your goal

Choose a comfortable one
not those with rough skin
roughness may kill the fun
and great may become mean

Enough about this business
do whatever you want with your life
not everyone can achieve greatness
you don’t need to make a tree your wife

but you can marry a bonsai
or take a plant to a dinner
at least before you die
make a rose feel like a winner

Offer her a bit of dirt,
if you can’t buy her enough land
a bit of water to increase the flirt
and why not take her by the hand

by the way, just one warning
leave the trees intact, don’t be a dick
if it’s tough love your yearning,
whip a human, they’re less thick

and don’t be to weird about this
hugging trees is misunderstood
and though it may be a bliss
you can end up lost in the wood

I’m not saying it because i’m in the loony bin
it’s a very nice place, with a very big tree
and though it’s not the best i’ve ever seen
it’s just enough for me to feel free

no words can describe the feeling,
that’s all I can truly say
in this there’s no winning,
no point doing an essay

just touch a tree and close you eyes,
i’ve long exceeded my goodbyes.

Pau quê? …lismo!

Deu três voltas no tumulto
e correu
correu
como naquele filme do “astuto da floresta”
enquanto corria ia crescendo,
contrariando todos os especialistas que dizem que se cresce durante o sono e que o excesso de exercício é prejudicial ao crescimento.
Prejudicial é atirar papéis para o chão
ou colocar metal no ecoponto dos papéis
Os papéis servem para se dar uso aos pincéis, se bem que se poderiam usar em paredes, mas há mais pincéis que paredes. E as chuvas?…
As chuvas limpam, ou sujam com coisas novas
mas quase sempre o novo é melhor do que o velho,
por isso é que agora se muda só por mudar,
não se melhora, muda-se simplesmente.
É mais fácil.
Será? Quanto custa fazer bem feito? e mal feito?
Acho que custa o mesmo, mas pelo menos o mal feito dá prazer…

Vou trabalhar.
E tu? não tens que fazer?
então vá…

Ti           
Maio 2011 

Aldeia pequena

O homem já não sabia mais o que fazer.
Tinha-se alistado na marinha, tinha ido a pé a Fátima, viveu num mosteiro no Nepal, fora em peregrinação a Meca, mas mesmo assim não conseguia encontrar a paz.
Foi beber uma bica a um café de uma aldeia pequena, onde havia um anúncio:
“Precisa-se de empregada(o)”
Esqueceu tudo o que fizera antes e ficou com o emprego.

Passaram mais de quarenta anos. Ele ainda lá está. Nunca escreveu um livro para ajudar os outros a encontrar a felicidade, nunca fez um discurso para mais do que 10 pessoas, mas o sorriso generoso que já no primeiro dia trazia, agora transformou-se em algo muito poderoso que afecta todos os que passam perto. Ninguém conhece bem aquele homem, de onde veio, se tem família, mas todos, sem excepção, vão lá tomar o café sempre que podem, nem que seja para ouvi-lo desejar-lhes os bons dias; é que quando ele faz isso, os dias são realmente melhores.

Ti          
Setembro 2007