Pão, feminino e masculino.

Há coisas mais importantes do que o pão,
mas só se saberá se houver,
quando falta é-se cão,
mas só se ainda houver noção de ser
Se não, serão fãs de nada
ignorantes convictos
Arquiduques da empada
Imperadores absolutos de pequenitos

a Ignorância,
dos primitivos que acham idólatra e idiota,
que os faz rezar a Árvores e Calhaus Sagrados,
é a mesma dos Cifrões, Cruzes, Estrelas e mais Calhaus

não há bons, nem maus,
há só bondade e ignorância
no lugar de corações, há paus
ego e Ego onde devia estar inteligência

O mundo é masculino,
mas não devia ser feminino,
tal como não devia ser só mar,
também não deve ser só terra
as mulheres, não têm a exclusividade do feminino
os grunhos não a têm do masculino
temos todos tudo
e quem quer ser só parte,
não é completo.

a mão que embala o berço

A mão que embala o berço é a mesma que agarra o chão para não partir,
é a que ampara o bebé e que apara a bofetada de ciúme.
a mãe que dá o seio de leite é a mesma que arranca pedaços de costas do amante
a mulher que dá e vê Deus, é a mulher que fornica com Ele

Aquele beijo por baixo do cabelo da nuca escondida
arrepia a espinha, pare vontades com vida
E a barba que arranha e dói e dá tesão,
é a que eriça cicatrizes de sins gritados não

começa por desexistir tudo o que é facto
depois nem isso, apaga-se a luz, toque e olfacto
tudo é sabor, mas do céu, não de língua
a carne funde-se e o universo míngua

A escuridão apaga-se,
e o vazio é coisa que se inala
O ar sufoca-se
até o silêncio se cala

Testar

Se o Amor dele fosse verdadeiro, não me tinha traído.
Mas tu é que o traíste a ele!
Não fui eu que fui para a cama com outra pessoa!
Pois não, foste tu que a fizeste!
Fiz o quê?
A cama!

Nunca vi mulher mais machista do que tu!