Pão, feminino e masculino.

Há coisas mais importantes do que o pão,
mas só se saberá se houver,
quando falta é-se cão,
mas só se ainda houver noção de ser
Se não, serão fãs de nada
ignorantes convictos
Arquiduques da empada
Imperadores absolutos de pequenitos

a Ignorância,
dos primitivos que acham idólatra e idiota,
que os faz rezar a Árvores e Calhaus Sagrados,
é a mesma dos Cifrões, Cruzes, Estrelas e mais Calhaus

não há bons, nem maus,
há só bondade e ignorância
no lugar de corações, há paus
ego e Ego onde devia estar inteligência

O mundo é masculino,
mas não devia ser feminino,
tal como não devia ser só mar,
também não deve ser só terra
as mulheres, não têm a exclusividade do feminino
os grunhos não a têm do masculino
temos todos tudo
e quem quer ser só parte,
não é completo.

a mão que embala o berço

A mão que embala o berço é a mesma que agarra o chão para não partir,
é a que ampara o bebé e que apara a bofetada de ciúme.
a mãe que dá o seio de leite é a mesma que arranca pedaços de costas do amante
a mulher que dá e vê Deus, é a mulher que fornica com Ele

Aquele beijo por baixo do cabelo da nuca escondida
arrepia a espinha, pare vontades com vida
E a barba que arranha e dói e dá tesão,
é a que eriça cicatrizes de sins gritados não

começa por desexistir tudo o que é facto
depois nem isso, apaga-se a luz, toque e olfacto
tudo é sabor, mas do céu, não de língua
a carne funde-se e o universo míngua

A escuridão apaga-se,
e o vazio é coisa que se inala
O ar sufoca-se
até o silêncio se cala

O animal é parvo

O animal queria reconhecimento.
Trabalhava 16 horas por dia e ainda estudava mais 3. Ficava sem comer para ter dinheiro para comprar livros. Não tem amigos para conversar, nem amigas para apaixonar.

Pintou um quadro anónimo para não alimentar a sua própria vaidade, mas deram a vaidade a quem o descobriu, mesmo sem se revelar o autor. Depois escreveu um livro, mas ficou tão famoso que teve de mudar de nome.

Quer amigos verdadeiros, mas não sabe que todos são. Pensa que, se têm interesse nele, são interesseiros, e por isso esforça-se por afastar todos os que se interessam por ele. Depois, quando já ninguém quer saber dele, dedica-se a fazer coisas maravilhosas para que se voltem a aproximar.
O animal é parvo. Compôs uma suite para quarteto de cordas tão famosa que tornou rico um pobre professor de piano da sua terra, mas depois achou-o desonesto porque ficou com a glória que não era dele. O professor repensou, deu a glória que devia ao animal e ele… ficou fulo porque os jornais todos diziam que se tinha redescoberto o autor do livro famoso! Achou o professor desonesto porque tinha prometido não divulgar!
Achou-se execrável porque culpava o professor por fazer tudo e o seu contrário.
Pareceu-lhe tudo injusto, e decidiu acabar consigo próprio. Gastou todo o seu dinheiro a comprar um carro blindado acelerou a toda a velocidade e atirou-se junto com o carro para o rio Vouga. Não morreu, recuperou e no dia em que teve alta do hospital da Universidade de Coimbra comprou uma passagem para o Egipto. Atirou-se ao Nilo e nunca mais ninguém o viu.
Não apareceu em nenhum obituário, porque ninguém sabe como é que se chama realmente.
Poderia ter sido o mais brilhante ser humano que alguma vez viveu, mas como nunca quis nada fácil, será para sempre quase nada.

Jun2009

​Um “porque não” do capitalismo.

Antes de começar a ler, permita-me avisar o caro leitor de que a estória que se segue não tem interesse nenhum.
O Sr. Alírio tinha 53 anos quando viu abrir um restaurante mesmo em frente ao seu. De início ficou preocupado, porque o espaço além de ser várias vezes maior do que o seu, era também mais moderno, e ele sabia que toda a gente gosta de novidades.
Quando o restaurante abriu ficou mais descansado porque apesar do restaurante ser de facto excelente, era também 4 vezes mais caro do que o do Sr. Alírio e portanto a clientela nunca seria a mesma.

Acabou por se tornar amigo do dono do restaurante e aprendeu até porque é que se deve verter as bebidas apenas até meio do copo.

wp_20161124_21_22_14_rich-01Apesar da qualidade do restaurante, ao fim de alguns meses fechou por falta de movimento. Voltou a abrir e a fechar várias vezes, até que finalmente um empresário do interior finalmente conseguiu  manter o restaurante aberto tempo suficiente para criar clientes fiéis e cada vez mais numerosos.

O Sr. Alírio ainda tentou descer os preços, mas quando chegou ao ponto em que tinha sempre prejuízo no fim do mês, desistiu e fechou finalmente o seu restaurante ao fim de 80 anos e três gerações da sua família dali terem feito o seu ganha-pão. Entretanto o restaurante estava cada vez mais cheio, cada vez com mais clientes e empregados. Até o Sr. Alírio, agora desempregado, ia lá fazer as suas refeições de vez em quando. Ficava sempre impressionado com os preços que conseguiam fazer, mais baixos ainda do que os que o seu antigo e modesto estabelecimento. Alírio achava que tinha perdido o jeito para o negócio, porque por mais voltas que desse, não via maneira de pagar a todos aqueles empregados, mais a qualidade dos alimentos que era realmente excepcional.

Um dia, sem mais nem menos, o restaurante não abriu. Nunca mais.

O Sr. Alírio descobriu depois que o empresário, que tinha gasto uma boa parte da sua fortuna no restaurante, nunca tinha trabalhado no ramo e simplesmente achava que tendo o restaurante cheio, tudo estaria bem. Na verdade, durante todo o tempo em que esteve aberto, o restaurante nunca deu lucro, mas o seu dono apenas decidiu fazer contas mais de um ano depois de aberto.

Agora naquela zona há apenas um restaurante, onde o Sr. Alírio não pode ir por ser demasiado caro.

O capitalismo é também isto.

mais Epicurismo

 

Lembra-te de comer bem, beber tambem e rir com vontade
mas melhor do que isto até é praticar a sexualidade

Não percas tempo na estrada, não serve pra nada, evita as filas
arranja uma boa mulher, ou um gajo qualquer se fores larilas

Nós vamos todos falecer, patinar, bater as botas
Eu vou esticar o pernil, conviver com as minhocas
Tua vais fechar a pestana e fazer para sempre ó-ó
nós vamos passar a ser húmus, que é uma espécie de cócó

Prova o morango e a romã, a uva e a maçã, o figo e cereja
o mundo tem lindas cores e belos odores, menos em Estarreja

Tenta por todos os meios viver sem receios, não há que temer!
quer tenhas ou não tenhas medo,
mais tarde ou mais cedo vais falecer!!

Nós vamos todos falecer, patinar, bater as botas
Eu vou esticar o pernil, conviver com as minhocas
Tua vais fechar a pestana e fazer para sempre ó-ó
nós vamos passar a ser húmus, que é uma espécie de cócó

Expirar, falecer, extinguir, apagar,
cessar, fenecer, esvair, patinar,
morrer, acabar, definhar, concluir,
perecer, terminar, descansar, sucumbir

Nós vamos todos falecer, patinar, bater as botas
Eu vou esticar o pernil, conviver com as minhocas
Tua vais fechar a pestana e fazer para sempre ó-ó
nós vamos passar a ser húmus, que é uma espécie de cócó

Rústicos pelo Epicurismo – Gato Fedorento

https://www.youtube.com/watch?v=0P3S9xpSBnQ

ap

Há fumo sem fogo

smokeSócrates – o ex primeiro ministro português – continua sem acusação.
O homem esteve preso 1 ano e de que é que o acusaram? De nada.
Desenganem-se os que pensam que nutro qualquer simpatia pelo senhor, na realidade sempre me inspirou alguma desconfiança, mas eu sei que a minha desconfiança se baseia em noticias e comentários inconsequentes, que não poderão nunca servir para definir se alguém é bom ou mau.
Para os responsáveis pela justiça parece que não é necessário nada de especial para se privar alguém do direito à liberdade!
Em conversas de café, também eu já condenei José Socrates, mas nessas mesmas conversas também chamo camelo ao Cristiano Ronaldo quando falha um penalti e na jogada a seguir faço-lhe justiça dizendo que é o melhor jogador de sempre. Mas isto são conversas de café!
Se um ex-primeiro-ministro, por mais irritante que possa ser, pode ser condenado a 1 ano de prisão sem condenção nenhuma, imagine-se onde é que acaba o poder discricionário dos responsáveis justiceiros do país.
Há uma única consolação nesta in-justiça toda: Sócrates também é um dos responsáveis pela justiça que temos.