Matias

Matias é português, casado, benfiquista, católico e uma besta.
A sua mulher é uma feminista parva, que emite opiniões fortíssimas acerca de tudo, de forma violenta e pública.
Matias está invariavelmente contra as opiniões de sua esposa e tem vergonha de quase tudo o que ela diz e faz.
Matias decide divorciar-se porque não faz sentido estar com alguém que não faz sentido.

Matias vai viver com um amigo que é ainda mais benfiquista, mais católico e mais abestalhado.
A sua ex-mulher diria que ele é um gay reprimido, mas Matias sabe bem que aqueles abraços ao amigo só acontecem quando o Benfica marca e nada têm que ver com paneleirice.

Em pouco tempo Matias descobre que o amigo não passa de um panasca reprimido e, depois de ir morar sozinho, passa dois meses a ir às putas.
Sentindo-se de novo o pináculo da masculinidade, decide ligar à mulher que lhe diz que uma vez por mês contrata os serviços de um profissional para lhe “limpar as teias de aranha” e fora isso nem se lembrava que já tinha sido casada com um cão.
Matias recusa-se a ficar afectado. Não é uma gaja qualquer que o deita abaixo.
Pelo sim, pelo não, apanha uma carraspana de caixão à cova e apanha uma boazona na rua que leva 20€ por uma mamada.

Acorda 1 hora depois com o carro enfaixado contra um caixote do lixo. Tem vagas memórias de ter expulsado a meretriz ao pontapé depois de descobrir que era um travesti.

Liga imediatamente ao padre que era director do colégio em que andou em garoto e, com a voz sonolenta, o padre concorda em recebê-lo ao fim do dia.

O padre começa a conversa com a habitual paciência clerical e explicando que, “se um homem não tem objectivos, então também não tem utilidade”. A única coisa que preocupa Matias é o travesti. Quanto a isso o padre diz que há médicos que podem ajudar com tratamentos para a homossexualidade. Matias fica ofendido, solta impropérios e o padre, exasperado, manda-o para o raio que o carregue.
Não havendo raio, carregou-o uma maca da emergência para o hospital. Diagnosticaram-lhe diabetes, colesterol, triglicéridos e tensão alta, deram-lhe 7 medicamentos diferentes, para juntar aos anti-depressivos, aos ansiolíticos e aos calmantes, perfazendo 32 pastilhas diárias. Teve sorte – foi um AVC fraquito.

O tempo foi passando e com ele o número de pastilhas foi aumentado, assim como a quantidade de Gin, que paulatinamente ia arruinando fígado e carteira.
Ao fim de poucos anos Matias passou a ser só um limão. Amargo, amarelo e intragável. Deixou de ser português, porque Portugal era uma merda, deixou de ser benfiquista, porque o Benfica, mesmo quando ganha, joga sempre mal. A mulher e os amigos eram todos uns ressabiados invejosos e Deus não queria saber.

A 1 semana de fazer 50 anos estava acabado. Mal sabia que ainda duraria mais 42 anos. Mas contar o resto seria só tortura.

Dedicatória delicada

Olha lá ó meu asqueroso chupista
Tu já viste que que a única coisa que produzes de útil
é esse estrume desnutrido quando vais à casa-de-banho?
porque as fezes que dizes são tóxicas
e isso apenas pode ser descartado para um aterro devidamente isolado,
junto com o material radioactivo.

O que tu dizes não é nuclear, é antimatéria.
É mais vão que o oco, mais inútil do que adoçante no mel.

És mais estúpido do que o próprio conceito.
O ar que inspiras, fica irrespirável
és uma doença contagiosa, um vírus purulento.

Mereces tudo
alteres, bigornas, guilhotinas,
lançados de muito alto, pela cabeça abaixo.
Que todas as pestes te persigam
que todas as doenças te matem
e depois te ressuscitem
para te matar outra vez

Vai pró raio que te parta
não mereces nada
Desnasce de uma vez
.

porcaria (ou consideração em Si menor)

Si menor2Quero agradecer-lhe,
tenho toda a consideração do mundo por si,
que me lê
mas isto por si só, não lhe dá mérito,
poderá é dar-se o caso do mérito
ser motivo de consideração

mas considerando que
a consideração que lhe tenho
deve-se apenas ao facto de me estar a ler
e por isso me massajar o ego,
tenho que concluir que o que tenho por si
não é verdadeiro,
é só agradecimento por me reconhecer.

Mas se me reconhece por esta…
porcaria
descubro que não tenho qualquer consideração por si
porque isto que aqui lê
não é mais que perda de tempo, não tem valor

E, se V. Exa., gasta olhos e tempo e energia
a ler esta porcaria
não é dotada de qualquer mérito,
e merece de mim, portanto,
desprezo

Termino este agradecimento,
retirando-o
e desejando-lhe as melhoras!

Você é um ser desprezível!
Não por ser vil ou sequer desagradável,
apenas por não ter utilidade nenhuma
e, por isso, pode
e deve
ser desprezado.

hoje ainda não rebentou nada

ExplosionHoje ainda não rebentou nada,
mas não me sinto melhor
continua o pó na estrada
e no ar o mesmo fedor

continua a cheirar a morte
mas estou de pé e posso contar esta história
devia achar que sou bafejado pela sorte
que um dia esta guerra trará glória

mas sei que como todas,
também esta guerra serve para nada
Não vão mudar vontades, nem sequer modas
no fim vão ficar vazios e buracos na estrada

Os que tinham razão e os que não tinham,
vão viver ou morrer
Alguns vão achar que ganharam alguma coisa
terão até a arrogância de celebrar a vitória.
Dirão que ganhou a virtude, que acabou a escória
Tudo melhorará enquanto o pó poisa

Mas quando tudo assentar
não serviu para mudar nada,
descobrir-se-á que a guerra serviu para matar
não mudou a humanidade, nem o preço da empada

melhorarão as esperanças dos que ganharem
arruinar-se-ão ideias que iam mudar tudo para melhor,
e os que sobreviverem, os que ficarem
aprendem novos hinos de cor

uma vez mais vencerá alguém,
alguém perderá
Não vai ganhar o Mal, nem o Bem,
o nada vencerá

Mas não será desta que se aprende.
nem tudo se compra e vende.
Há coisas mais importantes que nós
e valerá talvez a pena morrer por elas,
mas matar não tem nada abaixo
o lodo da virtude é isso.

Uma só atitude pouco importa,
mas uma só atitude tudo infecta
se a linha em que vens foi feita torta
é tua missão fazê-la recta.

EndofWar

Não tenho esperança, nem me é possível redenção
mas para vós, os que vêm em mim bafio bolorento
há audácia, possibilidade e regeneração
haja vontade, coragem e alento!

Sigam! Fazei o que manda o coração
ignorai experiência e velhos medrosos
fazei tudo novo, cagai na oração
sede apaixonados e fervorosos

Adorem o deus verdadeiro,
que é menos que qualquer um de vós
Damascoque deixe da haver macho, fêmea, paneleiro
acabem a pontas soltas e os nós

Agarrem na virtude e no pecado
e queimem-nos como às bruxas do passado

Construam um mundo novo, porra!
baseado somente em felicidade
em que a sobrevivência morra
e se extinga a crueldade

meça-se a riqueza em riso e que errar seja treinar,
que todo o rosto seja liso e as rugas só para enfeitar

 

ou então façam a mesma merda outra vez
Pode ser que daqui a mil anos
tenhamos aprendido a degustá-la como ao vinho.
Seremos escanções de trampa
e teremos a vida que merecemos
finalmente.
Como uma praga de baratas,
depois de extinto o exterminador.

Silêncio, fumo, barulho e nada..

O barulho correu frenético até se alojar, ensurdecedor, no fundo dos tímpanos. Não dizia nada, tomava apenas o seu lugar e fazia-o com a veemência de um Todo-Poderoso.

O fumo continuava perdido, fora do cigarro, espraiava-se lento pela sala claustrofóbica, tornando-a pesada e doentia.
Os olhos raiados de sangue queriam jorrar das órbitas, mas os nervos matinham-nos agarrados ao rosto esburacado de bexigas.
O tempo passava num ritmo cardíaco sem crença e compassado com música decadente que, entornada sem vontade dum rádio a pilhas, embalava a densidade do ambiente num pêndulo de inutilidade.

Foi assim que vivo.
Será assim que nasci.
É assim que morri.

Mulherismo

mulher-da-dana-13010005Hoje, dia internacional da mulher, li com cepticismo que no ano de 2186 teremos finalmente igualdade económica entre homens e mulheres. O Fórum Económico Mundial faz esta previsão optimista, baseado um relatório, segundo o qual as mulheres ganham pouco mais de metade do que os homens.

Não sou feminista, na medida em que o conceito por si só me parece estúpido, vago e antiquado, mas a verdade é que vivemos num mundo estúpido e retrógrado e portanto ideias preconceituosas como igualdade de género fazem todo o sentido, pela simples razão que nem todos os humanos o são.