Detesto a Carolina Deslandes

CarolinaDeslandesSe espreitarem as redes sociais e o que nelas diz Carolina Deslandes, vão conseguir facilmente arranjar pretextos para a achar a pior das pessoas.
É tão irritante que expõe a sua vida a torto e a direito nas redes sociais, sem se preocupar com “odiadores”.
Depois canta como um anjo, de propósito para aumentar a inveja dos que não cantam assim – ou seja – todos!
Dá entrevistas desempoeiradas e inteligentes e até a porra da curvas, que tem não só nas bochechas, lhe ficam a matar.

É insuportável a miúda!

Tree is the magic number!

TreeHugOne of the most stupid things one can do is to hug a tree,
but if you think that such a thing is stupid,
than you must not hug one, nor two, hug three!

You don’t need to stay long,
it doesn’t have to be tight
whatever way you do it, it’s wrong
so don’t try to do it right.

you think you’re a tree? You’re not.
At least not until you are
but how can you think you’re free
it’s such a simple thing but you don’t dare?

Do as you wish, I don’t really care
I’m not trying to be a good soul
I aim to live better, not to be fair
hug a fucking tree, whatever is your goal

Choose a comfortable one
not those with rough skin
roughness may kill the fun
and great may become mean

Enough about this business
do whatever you want with your life
not everyone can achieve greatness
you don’t need to make a tree your wife

but you can marry a bonsai
or take a plant to a dinner
at least before you die
make a rose feel like a winner

Offer her a bit of dirt,
if you can’t buy her enough land
a bit of water to increase the flirt
and why not take her by the hand

by the way, just one warning
leave the trees intact, don’t be a dick
if it’s tough love your yearning,
whip a human, they’re less thick

and don’t be to weird about this
hugging trees is misunderstood
and though it may be a bliss
you can end up lost in the wood

I’m not saying it because i’m in the loony bin
it’s a very nice place, with a very big tree
and though it’s not the best i’ve ever seen
it’s just enough for me to feel free

no words can describe the feeling,
that’s all I can truly say
in this there’s no winning,
no point doing an essay

just touch a tree and close you eyes,
i’ve long exceeded my goodbyes.

Dica #34 – Não desviar o olhar.

Na “dica para mudar” de hoje propõe-se que deixe de desviar o olhar.

Olhos4Da próxima vez que o seu olhar seja apanhado por outro olhar, deixe-se ficar. Aguente, deixe que aconteça alguma coisa. Há-de acontecer alguma coisa e enquanto não, aguente firme! Só isso!

E já agora depois conte o que aconteceu! 😉

Falta de classe

Rosas

Hoje sou todo força , tusa, raça.
Não me apetecem palavra amenas, nem amizades profundas.

Hoje apetece-me a paixão do nosso novo Amor,
apetece-me a tua mão esquecida dentro da minha, no Sol errado duma esplanada no inverno.
Quero descobrir o perfume que escondes detrás do pescoço, tapado pela displicência desse quase cabelo loiro.
Quero amarfanhar essas coxas tesudas enquanto me deixas sangue de morder lábios.
Quero levar-te de mão dada. ver rebentar o mar de chuva e vento. e ver o infinito nas curvas dengosas em que terminam essas pernas que me atormentam o sono.

Justiça Especial

A Lei que “protege” os juízes de serem presos preventivamente poderá fazer sentido se acreditarmos, como diz Manuela Paupério (presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses), que:

“Os juízes têm uma função muito própria, muito específica. E para exercer esta função é preciso ter uma imagem pública. Ser-se impoluto e ter essa imagem impoluta”

Por este motivo, não se pode permitir que um juiz vá preso por

menos de dá-cá-aquela-palha. Já um ministro, ou um ex-primeiro-ministro, ou outro qualquer, que se lixe!

Justiça

O estupefactivo aqui, não é um juiz não poder ser preso preventivamente, é o facto de que qualquer cidadão, que não juiz, pode ser preso, ter a sua casa arrombada, ou o seu local de trabalho tomado de assalto por forças policiais em busca de indícios. Nestes casos a necessidade de ser “impoluto” ou de ter uma “imagem pública impoluta” deixa de ser importante.

Os que defendem estatutos especiais, muitas vezes dão como justificação para tal o cargo exercido – os privilégios são do cargo e não da pessoa -. Isto fará eventualmente sentido nos cargos com duração limitada, mas ainda assim não consigo encontrar argumentos que justifiquem a maior importância de um deputado, em detrimento de um funcionário da limpeza de supermercado. Apesar disto parecer óbvio para alguns, não o é para mim e, mais importante, não deveria ser para a justiça.

O outro argumento, de que se não houvesse esse tal estatuto especial para alguns cargos com especial relevância, poderíamos entrar numa situação insustentável, na qual deputados, ministros, juízes e, porque não, Presidentes da República poderiam ser alvos de permanentes acusações e consequentes investigações, que levariam a transtornos enormes, faz todo o sentido! O que não faz sentido é que, só porque qualquer outro cidadão tem uma profissão menos importante para a condução da nação, possa ser acusado publicamente, alvo de buscas e até preso preventivamente sem que para tal seja necessário ser acusado de coisa nenhuma.

Em última análise, o simples facto de haver estatutos especiais para alguns cargos é indicativo de que a justiça não é justa. Se o fosse, não seria necessária imunidade à sua acção, para os exercer.