Egoísmo, medo e nada.

covid19O aparecimento do Covid19 trouxe muitas coisas, entre elas egoísmo.

Há algumas pessoas que, por várias razões, são obrigadas a trabalhar nesta altura. Algumas destas pessoas e dos seus familiares estão muito descontentes porque acham que deviam ter direito a permanecer em casa com os seus, onde são necessárias.
Percebo que as pessoas sintam medo e até que sejam egoístas ao ponto de porem os seus interesses à frente dos interesses da comunidade, o que não percebo é que o digam em voz alta, como se não fosse condenável ser egoísta.

Alguns de nós têm que continuar a trabalhar e correr riscos para que os outros possam continuar a viver com os mínimos. Não é heroísmo, nem sequer altruísmo, é assim.

Para aqueles que queriam que o seu marido/mulher enfermeiro, médico, farmacêutico, trabalhador de supermercado, camionista, …, não vá trabalhar – esqueçam! Ajudem-nos.
Não os pressionem para não ir trabalhar, isso não é opção. Ajudem-nos cuidando do que tem que ser cuidado e deixando-os livres para cumprir o seu trabalho.

Nos próximos dias há trabalhadores que terão que ficar isolados de toda a sua família, não porque queiram, mas porque serão obrigados pela lei, pelo estado e pelos empregadores a fazê-lo. Terão que o fazer e por muito tempo. Perderão muitos momentos preciosos com as famílias e até com filhos pequenos, mas os dias, semanas ou meses que perderão, serão pífios comparados com o tempo de uma vida e principalmente com o trabalho que, por ser precioso, é imprescindível.

Quando aos próprios trabalhadores que seriam contra ir trabalhar, mas que o farão forçados:
É natural não querer ir para a guerra, é natural querer fugir do risco, é até natural ser egoísta, mas é preciso ter vergonha de o ser, não orgulho.

Sintam medo à vontade, tomem todas as precauções, mas não fujam! Precisamos todos de vós.

 

Dedicatória delicada

Olha lá ó meu asqueroso chupista
Tu já viste que que a única coisa que produzes de útil
é esse estrume desnutrido quando vais à casa-de-banho?
porque as fezes que dizes são tóxicas
e isso apenas pode ser descartado para um aterro devidamente isolado,
junto com o material radioactivo.

O que tu dizes não é nuclear, é antimatéria.
É mais vão que o oco, mais inútil do que adoçante no mel.

És mais estúpido do que o próprio conceito.
O ar que inspiras, fica irrespirável
és uma doença contagiosa, um vírus purulento.

Mereces tudo
alteres, bigornas, guilhotinas,
lançados de muito alto, pela cabeça abaixo.
Que todas as pestes te persigam
que todas as doenças te matem
e depois te ressuscitem
para te matar outra vez

Vai pró raio que te parta
não mereces nada
Desnasce de uma vez
.

porcaria (ou consideração em Si menor)

Si menor2Quero agradecer-lhe,
tenho toda a consideração do mundo por si,
que me lê
mas isto por si só, não lhe dá mérito,
poderá é dar-se o caso do mérito
ser motivo de consideração

mas considerando que
a consideração que lhe tenho
deve-se apenas ao facto de me estar a ler
e por isso me massajar o ego,
tenho que concluir que o que tenho por si
não é verdadeiro,
é só agradecimento por me reconhecer.

Mas se me reconhece por esta…
porcaria
descubro que não tenho qualquer consideração por si
porque isto que aqui lê
não é mais que perda de tempo, não tem valor

E, se V. Exa., gasta olhos e tempo e energia
a ler esta porcaria
não é dotada de qualquer mérito,
e merece de mim, portanto,
desprezo

Termino este agradecimento,
retirando-o
e desejando-lhe as melhoras!

Você é um ser desprezível!
Não por ser vil ou sequer desagradável,
apenas por não ter utilidade nenhuma
e, por isso, pode
e deve
ser desprezado.

Importância, Futebol (ou vão mas é trabalhar)!

Futebol CacaUma equipa de futebol levou um enxerto de porrada. O que é que isso interessa? Nada!

Até ouvi figuras com grandes responsabilidades a dizerem que este escândalo do Sporting demonstra uma falha do estado de direito!!

Se o presidente do Futebol Clube da Amêijoa dá ele próprio uns estaladōes aos treinadores e jogadores, não há uma única figura do estado que fale sequer nisso! Poder-se-ia alegar que são clubes com dimensões diferentes e por isso com importância diferentes, mas isso seria como admitir que as pessoas mais gordas são mais importantes!!

Srs. Governantes deixem-se de futebóis e vão trabalhar!

E, já agora, srs jornalistas façam o mesmo.