Que tal estas fotos? (ou teste 2/2)

E desta fotos,  o que acha?

Que tal estas fotos? (ou teste 1/2)

O que é que acha destas fotos?

Carta de desapego

O tempo é-me muito barato.
Atiro-o por aí, sem razão, sem motivo, sem padrão sequer.
Dizem os sábios que quando as coisas nos saem do corpo,
têm mais valor.
Não têm.
Tudo o que me sai, sai do corpo.
O que sai da alma… isso sim, tem valor.
Mas eu não tenho profundidade, sou tudo o que se vê,
sou mais nada do que o que se vê.
Uma cigana quiromante disse que as linhas da minha mão
são apenas linhas, revelam nada.

Não tenho segundas intenções,
mas não tenho intenções.
Tenho a espessura de uma folha de papel
Sou sem nada, desalmado.

Escrevo-te assim porque, ainda que não tendo qualquer direito ou influência sobre ti, quero retirar-te qualquer peso que possa entravar, por menor que seja, a tua procura por felicidade.

És boa, das que desequilibram o mundo para o lado da esperança e da Alegria.
Só de imaginar os teus olhos abertos para os meus, fico com vontades, esperanças, planos para conquistar o mundo. Mas depois imagino-os a olhar os meus e vejo neles a desilusão de te falhar.
Não consigo ser responsável pela morte dessa Alegria.
Quero-te melhor do que o que terias perto de mim.

Agora, quando desisto de ti, descubro que a magreza que julgava do meu coração, pode implodir ainda mais.
Já não sou fino, plano, sou só um ponto.
Um ponto não pode ter nada a dizer.

Pérolas do engate

O gajo aproxima-se, meio de lado, como quem não quer nada e diz de um fôlego só:

The Temptations Ed_Sullivan_Show (1969)“Eu tenho Sol num dia de chuva,
quando está frio lá fora para mim é Agosto
e o que é que me faz sentir assim?
Tu! A minha miúda.”

Não fosse eu fã dos “The Temptations” e até poderia não ter reconhecido o “I Got Sunshine“.
E assim se transforma um clássico intemporal numa frase de engate do piorio.