Já sei tudo

o que vai acontecer
sei de cor para onde me leva esse caminho
que novidade pode haver
se já o percorri sozinho

podemos agora seguir juntos e isso fazer a diferença,
mas se a soma de nós não é dois
é uma anulação

E como eu gostava de me anular para ti
mas és tu que te anulas
ou pior, sou eu que te zero
e tu a mim também

Sem ti sou diabólico, capaz de todas as vilanias
contigo não fico bom, fico neutro
incapaz de não nada.

Basta!
Prefiro ser notável por execração
a ser bondoso por omissão
Lutar-te-ei com todas as forças
e no fim vencerá o mais forte, como nos contos de fadas.

Se o mais forte é o bem?
Não.
É só o que conta a história.

Detrito

Já foi gente,
há tanto tempo que não há quem se lembre,
nem o próprio.

Agora é um vegetal apodrecente.
Sem beleza, nem utilidade.

Houve um tempo em que lhe viram algum encanto,
mas já ninguém sabe qual.
Os que lhe deram valor morreram
e com eles morreu também o resquício de humanidade.

é agora um resto que ocupa espaço
sem trazer nada de volta
Não produz, nem vale
é um detrito que se recusa a morrer.

Só ocupa espaço e
irritação nos escassos que se lembram
daquele desperdício.
Sem dignidade para se eutanasiar.

Poetas

Há um desescrever nos poetas que me dá asco!

Escrevem ao contrário, torto, sem sentido
só porque sim.
Há quem diga que o artista tem que ser livre; não tem que se importar com forma, conteúdo ou objectivo, mas isso seria fazer nada e fazer nada é coisa para monjes ascetas, não para criadores.
O artista faz arte e isso tem que ser alguma coisa.

pess2

Depois há outras coisas:
Poetas que não são bêbados,
que não fumam,
que fazem jogging, ou running
Isso não são poetas.
Poetas são decrépitos,
são à-rasca,
Comem porque calha
lavam-se porque ralham
E são feios.
Se não tiveram a sorte de nascer deformados,
deformam-se eles de uma forma trágica.

O poeta tem que ser chanfrado!
Os outros são uns merdas e vão todos acabar sozinhos com toda a gente,
como toda a gente.
O poeta, vai ter-se para sempre.

Que se foda a poesia erótica.

Que se foda a poesia erótica
Contra uma parede
acabe-se-lhe com a sede
sufoque-se-lhe o pescoço

Poesia é coisa de velha
Arrepanhar lábios,
contra lábios
é de lenda

Não se é mulher, porque se quer
para ser berço é preciso colo
não é preciso força, nem falo
isso é para usar e descartar
como um acessório sem valor,
irrisório

Os homens não percebem o prazer
só sabem da sua braguilha
não percebem a virilha
não sabem que tem que doer
não sabem que amor
também é foder

Toda a mulher é ilha
toda a mulher é mãe
é boca, é cheiro, é mão
pode não ser filha
mas será sempre pão

Foder um homem é necrofilia
não se pode entrar num homem
é um ser inanimado
um homem por dentro é oco
é fisiológico,
não tem nada de elevado

Uma só mulher tem tudo,
mesmo que seja fútil,
imprestável, intragável ou inútil
ainda assim será sempre mais
do que um homem

Que não seja mal entendida,
um homem também tem valor
um homem tem lábios, mas são só lábios.
Uma mulher tem o mundo,
cheiros,
calor
e tudo isso… só nos lábios.

Onde um homem acaba
uma mulher ainda não começou.